Quando o Campeonato foi interrompido devido a Pandemia do Covid 19, o Botafoguense vivia um momento de muita angústia e preocupação, pois mesmo com a chegada do novo treinador, cinco novos jogadores que já atuavam como titulares não davam confiança de que o time teria forças para reagir!

Praticamente todos os recursos já haviam sido tentados, troca de treinador, chegada de jogadores e o que se via de positivo eram apenas as sofríveis vitórias sob o comando de Claudinei.
Uma contra Internacional de Limeira, onde o próprio Técnico declarou publicamente que mesmo com a vitória naquela ocasião, saia de campo muito preocupado pois o único ponto positivo daquela partida eram: a vitória, os três pontos, a superação e a vontade dos jogadores do que competência e merecimento e a outra vitória sobre o terceiro time do São Paulo por um a zero onde o Tricolor do Morumbi terminou a partida com três jogadores estirados em campo com câimbras.
Fora isso, uma boa partida contra a Ferroviária, porém derrotado, um primeiro tempo contra o Oeste em Barueri onde perdeu várias oportunidades de gol. Muito pouco pelo tamanho da dificuldade que o time tinha que transpor qiando da volta do Paulistão.

Durante a paralisação, a expectativa não eram as melhores, já que o melhor jogador de seu sistema defensivo também não renovou e foi embora (Didi) e a desconfiança em torno do elenco se potencializou, colocando o Botafogo como praticamente certo, um dos rebaixados.
Tanto é que no Conselho Técnico que determinou a volta da competição, Adalberto Baptista, representando o Botafogo, se posicionou contrário à volta com os parâmetros adotados pela FPF, principalmente com o manutenção do Rebaixamento e inscrições de novos jogadores. O Botafogo poderia de acordo com estas mudanças até repor os três jogadores que sairam (Didi, Willian Oliveira e Marcus Vinicius), mas como preparava uma futura ação na Justiça Desportiva contra a decisão da FPF, tinha exatamente este ponto da mudança do Regulamento como embasamento jurídico e por isso se absteve de reforçar seu elenco.

TIME VOLTOU MUITO DIFERENTE.

E na volta o que se viu foi um time que mesmo com pouco tempo de treinamentos, todo reinventado e com uma nova postura em campo. Venceu o Guarani, e na combinação de resultados na última rodada, mesmo sendo derrotado pelo RBB, acabou se livrando do Rebaixamento. Já era um grande feito, pois além do Rebaixamento, também evitou um embate jurídico com a FPF e na parte financeira, garantiu a cota de participação na Série A1 em 2021 e de quebra ainda veio a possiblidade da disputa do Torneio do Interior. Algo que poucos imaginavam diante da pífia campanha nas primeiras sete rodadas.
Torneio do Interior, mais uma oportunidade que todos ganharam para confirmar e se realmente houve uma evolução ou apenas um lampejo de sorte.
Mas em campo o time novamente teve uma boa apresentação diante do Novorizontino, válido pelas quartas de final, venceu ratificou sua recuperação técnica e veio a semi final e o seu adversário era exatamente a melhor campanha da fase de classificação que fora eliminado pelo Corinthians da disputa do título estadual e de novo o RBB no caminho do Botafogo.
Com um comportamento de forma igual aos recentes jogos anteriores, mesmo quando foi derrotado pelo próprio RBB na última rodada, até os 34 minutos do segundo tempo, estava se classificando para a final do Torneio com gol do Wellington Tanque. Mas acabou sofrendo o gol de empate, anotado pelo Mateus Jesus e nos pênaltis acabou sendo eliminado por quatro a três. Nos pênaltis Calabres e Romão erraram suas cobranças. Fim de Paulistão para o Botafogo.

AGORA VEM OS REFORÇOS E A SÉRIE B

Diante deste novo panorama, com a confiança renovada, mudou a expectativa por parte de boa parte dos torcedores e quem apostava que uma nova e quase total renovação de elenco, desta feita por deficiência técnica em função dos resultados obtidos durante boa parte do Paulistão, culminando com derrota vexatória diante do Mirassol por seis gols em pleno Santa Cruz, já começam a admitir que apenas com quatro reforços este Grupo de jogadores já vislumbra a possibilidade de um bom início da Série B, de cara contra o gigante Cruzeiro.

Diretoria já projeta a chegada de um reforço já nesta segunda feira e os demais no decorrer da semana para qualificar o elenco.
Comemorar a fuga de rebaixamento não pode fazer parte do papel do torcedor, mas para a Diretoria e Comissão Técnica, há motivos sim para tal. A recuperação de atletas como Wellington Tanque que já havia até se desentendido com torcedores em Barueri, acumulando cinco jogos sem gols, de Rafinha que fez taticamente bons jogos pós pandemia até com algumas jogadas técnicas que o credenciou a vestir a camisa do Botafogo, a afirmação de Robson como capitão da zaga após as saida de Didi, a boa performance de Jordan, até então com olhares de muita desconfiança, a afirmação de Bolt e Naldo (melhor em campo contra RBB último jogo), a consagração de Mateus Anjos sendo considerado já um candidato ao posto de ídolo por parte da torcida e ate o pequeno Ronald, antes contestado por todos, hoje já considerado um dos titulares, facilitaram a vida dos novos Diretores de Futebol Fernando Henrique Gelfuso e o próprio Adalberto Baptista, como também a vida de Claudinei Oliveira, que agora já conta com a confiança da torcida como treinador capacitado para comandar a equipe na Série B.

Que venha o Brasileiro da Série B e a Equipe K8 Esportes vai estar presente, levando bons fluídos aos jogafores nesta nova empreitada com shows de transmissão! Mantendo sempre nosso otimismo:

Vai dar certo! de novo!!!

Da Redação da K8 – Por Marcos Andrez